A gasolina no Brasil é famosa por ter um preço muito elevado — tanto por si só quanto em comparação com outros países. Mas você já parou para pensar por que o combustível aqui pesa tanto no bolso do consumidor? Já imaginou quais são os fatores que têm influência no preço da gasolina? Na sequência deste texto, a RB Multimarcas lista e explica todos eles.

Contudo, antes de começar a falar sobre cada fator, é importante ressaltar por que eles são tantos. A gasolina não é um produto fácil de ser produzido; além da extração do petróleo, há ainda a mistura com o etanol — isso sem falar nos impostos e nas taxas para redistribuição e venda do combustível.

Continue a leitura abaixo, veja uma lista detalhada com todos esses fatores que acabamos de citar e entenda os motivos por trás do preço da gasolina. Boa leitura!

 

Fatores que influenciam o preço da gasolina

 

Produção do combustível

O primeiro fator de influência é, obviamente, a produção do combustível. Este primeiro, de acordo com a própria Petrobras, inclui todos os custos necessários por parte da empresa para produzir a gasolina. Ainda segundo o que a Petrobras afirma e divulga, esta parte do processo — que é, sem dúvidas, uma das mais importantes — representa apenas 31% do preço final do litro da gasolina.

 

Impostos federais

É com os impostos federais que começa este tipo de tributo. Para se ter uma ideia do quão influentes eles são no valor total, saiba que a soma total de impostos federais e estaduais resulta em uma porcentagem maior que a dos custos de produção. Os impostos federais cobrados em cima do combustível são o CIDE e o PIS/PASEP e COFINS. Juntos, eles são 10% do preço da gasolina. 

 

Impostos estaduais

A segunda etapa de cobrança de impostos vem com os impostos estaduais — um número ainda maior que o anterior. O imposto estadual cobrado aqui é apenas um; trata-se do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços). Mesmo sendo único, ele consegue ser mais alto que os federais, representando 28% do valor total.

 

Custo do etanol

Lembra que citamos na introdução que o petróleo precisa ser misturado ao etanol para que o combustível seja produzido? Este custo não está incluído nos 31% do custo de produção da Petrobras. Para a adição do etanol, é preciso investir um valor que circula por volta dos 15% do total. Na prática, apenas 46% do preço da gasolina é utilizado realmente para a sua produção.

 

Distribuição e revenda

Por fim, a última variável que compõe o preço da gasolina é a taxa de distribuição e revenda por parte dos postos de combustível. Diferente da soma dos impostos, seu valor não é nem um pouco abusivo; na verdade, ele é bem coerente quando consideramos o trabalho que o processo dá. A taxa de distribuição e revenda é de 16% do valor total.

 

Recapitulando o preço da gasolina

Como uma forma de resumo, e para facilitar a soma de todos os fatores e o entendimento do valor total, nós trouxemos uma lista recapitulando o que influencia o preço da gasolina:

 

  • Custo de produção: 31%;
  • Impostos federais: 10%;
  • Impostos estaduais: 28%;
  • Adição de etanol: 15%;
  • Distribuição e revenda: 16%.

 

Somados, todos estes fatores resultam em 100%, ou seja, o total do preço da gasolina.

 

E você, já sabia como essa precificação funciona? Gostou de saber? Nós estamos sempre produzindo este tipo de conteúdo — sempre relacionado a tudo que envolve o nosso mundo automotivo. Se quiser receber mais, acompanhe a RB Multimarcas nas redes sociais! Você pode nos encontrar no Facebook e no Instagram.