Seguindo na nossa série de textos sobre componentes automotivos, o assunto de hoje são os tipos de faróis. Quem dirige sabe o quão importantes o farol é para as conduções noturnas; sem ele, é muito difícil enxergar o que está a frente na estrada. Em dias de chuva, a situação é ainda mais complicada. Foi pensando nisso que nós elaboramos um texto diferenciando os tipos de faróis.

Na sequência, a RB Multimarcas apresenta e traz detalhes a respeito de cada um dos tipos de faróis. Continue a leitura e confira!

 

Quais são os tipos de faróis e as diferenças entre eles?

 

Farol convencional

O primeiro dos tipos de faróis é, como o próprio nome já sugere, o farol convencional. Ele é a fonte de iluminação primária de qualquer automóvel, podendo conter um DRL (sigla para Daytime Running Light, que significa luz de rodagem diurna) ou não. Os modos que usamos diariamente, incluindo lanterna, farol baixo e farol alto estão todos presentes aqui.

Outra função que usamos frequentemente e que também faz parte dos faróis convencionais é a do pisca-alerta.

As lâmpadas mais utilizadas neste tipo de farol são as halógenas, isto é, aquelas lâmpadas incandescentes que contêm uma pequena quantidade de um elemento halogênio em suas composições. Apesar disso, outras modalidades de lâmpada têm crescido como alternativa, como as famosas lâmpadas de LED.

 

Farol de milha

Seguindo, o segundo entre os tipos de faróis é o farol de milha. Ele é uma espécie de farol adicional, muito similar ao farol alto, funcionando com um facho de luz concentrado e de alta intensidade e alcance. Ele é ideal para auxiliar a enxergar uma extensão maior de estrada, além de ser bom para noites extremamente escuras.

Por outro lado, a semelhança com o farol alto também traz algumas desvantagens. Por ser uma luz muito forte, ela pode causar desconforto para outros condutores e até mesmo ser a responsável por acidentes.

Graças a isso, o uso do farol de milha é regulamentado pelo CONTRAN. Segundo o que diz a Resolução 227/07, a cor das suas luzes deve ser branca, ele só pode ser utilizado quando o farol alto também estiver ligado e sua intensidade não pode ultrapassar 340 mil cd.

 

Farol de neblina

Por fim, mais um dos tipos de faróis: o farol de neblina. As lâmpadas que o compõem têm como principal característica um alcance reduzido e uma intensidade mais fraca. Como seu próprio nome sugere, ele foi desenvolvido para auxiliar a visão dos motoristas em situações de cerração, neblina, nevoeiro e situações de baixa visibilidade no geral.

Com o farol de neblina, graças às luzes mais fracas e de menor alcance, a visualização do que está logo a frente é facilitada. Assim como o farol de milha, este tipo também tem seus detalhes regularizados pela Resolução 227/07 do CONTRAN. Porém, ao contrário da outra, as lâmpadas usadas aqui podem ser tanto brancas quanto amarelas.

 

E você, já conhecia todos esses tipos de faróis? Gostou de saber um pouco mais a respeito de cada um deles? Caso tenha gostado do texto e queira continuar recebendo, acompanhe a RB Multimarcas no Facebook e no Instagram!